Item 4

Malabarismo


Diversas são as formas de trabalhar o corpo, fortalecer o físico e desenvolver a mente para ganhar mais saúde e qualidade de vida. Mas poucas se comparam em beleza, diversão e poder de transformação quanto à arte esportiva dos malabares. Malabarismo significa manipular objetos com criatividade, destreza e harmonia. Uma arte símbolo da grandeza que é o homem no domínio completo das faculdades do próprio corpo.

História
Segundo a lenda, o malabarismo surgiu numa ilha chamada Malabar. Lá os jovens deviam exibir suas habilidades com os malabares num ritual que celebrava a entrada na maioridade. Segundo a história, o malabarismo tem raízes mais antigas do que muitos esportes mais populares. Registros indicam que é uma arte praticada há milhares de anos.

No Egito existem inscrições funerárias datadas de dois mil anos atrás fazendo referência aos malabares. Na tumba de um faraó conhecido como Beni Hassan foram encontrados uma série de desenhos de uma malabarista realizando acrobacias jogos com seu repertório de bolas. Existem documentos chineses, egípcios, bizantinos, gregos e romanos que mostram desenhos contendo comprovações de que o malabarismo é um velho conhecido da humanidade.

Objetos de Malabarismo
Quanto aos tipos de malabarismo, existem muitos. Mas em geral, a essência é a mesma. Consiste em manter objetos no ar, lançando e executando manobras e truques. Também existem malabarismos onde só se manipulam objetos em contato com o corpo.

Os malabares de lançamento mais comuns são as bolinhas, que normalmente são apresentadas em trio. Praticantes mais experientes utilizam cinco ou até dez. O recorde registrado foi de treze bolinhas em cascata. Outro malabares conhecido é o de claves, que possibilita a execução com aparelhos como tochas, em apresentações ao ar livre. As argolas também são bem utilizadas.

Além destes, há o swing poi, espécie de cabos com fitas na ponta para fazer movimentos espirais e circulares ao redor do corpo. O diabolô é outro, se assemelha a um carretel que gira sobre uma corda amarrada em duas varetas, cada uma firmada a uma mão do malabarista. Outro malabares é o bastão, muito usado por escolas de artes marciais. Flags, que são como bandeiras de tecido, sticks, mini-bastões auxiliados por duas varetas, e bolas de contato, esferas para manuseio e equilíbrio pelo corpo, também são outros malabares conhecidos pelos praticantes.

Benefícios
A prática do malabarismo aumenta a flexibilidade, a força e a coordenação motora. Os exercícios com malabares ajudam a ativar os dois lados do cérebro, o criativo e o racional. Trabalham diretamente com a concentração, a atenção, a lateralidade, a respiração e os reflexos. O malabarismo introduz o praticante em uma busca pela respiração saudável e o ritmo.

Os malabares podem ser associados a várias técnicas terapêuticas com o objetivo de trabalhar diferentes áreas do organismo de forma lúdica. Ajudam a desenvolver a perseverança e a ganhar autoconfiança, influenciando no processo de cura de diversas enfermidades. É indicado para crianças com dificuldades de concentração, problemas para ler ou aprender. Também é recomendado no tratamento de doenças psíquicas, anorexia, bulimia e obesidade.

Pessoas excepcionais, deficientes físicos, alcoólatras, e outros dependentes químicos, também podem ser beneficiados com os exercícios de malabares. Assim como pacientes com senilidade, artrites e problemas causados por acidentes vasculares no cérebro.

Praticar ou recomendar a prática dos malabares é expandir o leque de atividades promotoras do saudável. Seus exercícios ajudam no processo de conscientização dos movimentos corporais e no autoconhecimento. São comprovadamente uma escola para aprender a ver e a observar a vida, com cada vez mais clareza, atenção e controle.

Não têm contra-indicações e são recomendados para todas as idades. Mais que uma opção para complementar o tratamento de diferentes patologias, os malabares são uma alternativa acessível e divertida para o desenvolvimento global do homem.

 
Desenvolvido por DVW